Júri de acusados de castrações e mortes começa no Pará

O julgamento de cinco acusados de seqüestro, tortura, castração e morte, entre 1989 e 1993, de cinco meninos de Altamira, no sudoeste do Pará, começou às 8h30 desta manhã, com o juiz Ronaldo Vale anunciando o desmembramento das sessões do Tribunal do Júri. Dois acusados estão sendo julgados hoje e amanhã. No próximo dia 2, outros três sentarão no banco dos réus."Nesta primeira sessão, cuja tomada de depoimentos terminou às 12h20, os julgados são o comerciante Amailton Madeira Gomes e o ex-soldado da Polícia Militar Carlos Alberto dos Santos Lima, que trabalhou como vigilante na casa de Amailton à época dos crimes, entre 1989 e 1993. Ambos negaram participação nos assassinatos, afirmando terem sido "vítimas de armação". "Na segunda sessão, marcada para a próxima terça-feira, serão julgados os médicos Césio Flávio Caldas Brandão e Anísio Ferreira de Souza, além da vidente Valentina de Andrade, líder da seita Lineamento Universal Superior (LUS). Valentina é acusada de promover rituais de magia negra e ter íntima ligação com os assassinos, que freqüentavam sua casa durante as sessões."O secretário Nacional de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, a subprocuradora geral da República, Maria Eliane Menezes de Farias, o assessor especial do Ministro da Justiça Márcio Thomás, Douglas Martins, além do assessor da Ouvidoria da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Pedro Montenegro, acompanham pessoalmente o julgamento como observadores federais."Na porta do Tribunal, cerca de 150 parentes e amigos das vítimas promovem manifestações e cultos religiosos, exigindo a condenação dos acusados. As testemunhas do caso, alegando ameaças de morte, estão sob proteção da Polícia Federal. Dois meninos que sobreviveram às emasculações são as principais testemunhas da acusação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.