Júri de Valentina vai ser investigado pela PF

A pedido da Secretaria Nacional de DireitosHumanos e da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, a promotoraRosana Cordovil, que atuou no júri em que a paranaense Valentiva deAndrade foi absolvida por seis votos a um da acusação de co-autoriaintelectual na castração e morte de crianças em Altamira, solicitaráuma investigação sobre supostas ameaças e tentativa de suborno dojúri. Com a entrada da Polícia Federal no caso e o apoio do setor de inteligência da Polícia Civil do Pará, serão solicitadas à Justiça aquebra dos sigilos telefônicos e bancários dos sete jurados, todos servidores de repartições públicas estaduais e municipais lotados emBelém. Os dois oficiais de Justiça do TJ do Pará responsáveis pelo acompanhamento dos jurados no hotel onde estavam hospedados e a própriasegurança policial colocada à disposição do júri também serão investigados. O superintendente da Polícia Federal no Pará, delegado José Sales, ainda não recebeu qualquer determinação formal do Ministério da Justiçapara começar a investigação. O ponto chave do trabalho será apurar se houve quebra da incomunicabilidade dos jurados e se estes receberam visitas estranhas durante a noite e madrugada de quinta para sexta-feira da semana passada, véspera da sentença que absolveuValentina. Informações sobre telefonemas recebidos e feitos por jurados quando estavam incomunicáveis chegaram à polícia por fontes que preferemmanter sigilo. Procurada na tarde desta quarta-feira, a promotora informou que ainda não havia recebido o pedido de investigação. Em Brasília, a remessa do pedido foi confirmada. Um dia depois do resultado do julgamento, Rosanademonstrou sua indignação com o veredito, que segundo ela contrariou as provas dos autos. "Vou tirar a beca e não quero mais saber de atuar emjúri", disse então a promotora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.