Justiça absolve Nicéa em processo movido por Maluf

O juiz Marco Antônio Pinheiro Machado Cogan, da 25ª Vara Criminal Central, julgou improcedente a queixa-crime movida pelo ex-prefeito Paulo Maluf contra a ex-primeira-dama Nicéa Pitta por injúria, calúnia e difamação.Esta foi a sétima absolvição de Nicéa, que teve ainda um inquérito policial contra ela arquivado. A última absolvição de Nicéa foi proferida na semana passada. O juiz da 25ª Vara acolheu argumento da advogada da ex-primeira-dama, Andréa Guedes Miquelin, de que Maluf não produziu provas que comprovassem que sua cliente fez afirmações que feriram sua honra.O advogado de Maluf, Ricardo Tosto, disse ao Estado que respeita a sentença, mas vai recorrer ao Tribunal de Alçada Criminal (Tacrim). Nicéa respondeu a vários processos na esfera criminal, mas não foi condenada em nenhum. Ainda estão em curso ações movidas pelo senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e pelo ex-presidente da Câmara Municipal Armando Mellão. Paulo Maluf e seu filho Flávio já tiveram outras duas queixas-crimes rejeitadas pela Justiça. Os ex-secretários de Governo Edevaldo Alves da Silva (gestão Maluf) e Carlos Augusto Meinberg (gestão Pitta) e os empresários Naji Nahas e Jorge Yunes também tiveram seus processos rejeitados na 5ª e 12ª varas criminais centrais e na 4ª Vara Criminal do Fórum de Santo Amaro.Um inquérito policial instaurado no 14º Distrito, em Pinheiros, a pedido do ex-secretário de Transportes Getúlio Hanashiro, foi arquivado pelo Departamento de Inquéritos Policiais.O ex-vereador Faria Lima, a vereadora Miriam Athiê, ambos do PMDB, e a ex-secretária da Assistência Social Alda Marco Antônio ingressaram apenas com pedidos de explicação e não processaram Nicéa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.