Justiça absolve pagodeiro Alexandre Pires

A 1.ª Câmara Criminal do Tribunal de Alçada negou nesta provimento ao recurso do Ministério Público de Minas Gerais e absolveu o pagodeiro Alexandre Pires, acusado de provocar a morte de José Alves Sobrinho, em um acidente de trânsito ocorrido no dia 06 de fevereiro de 2000, em Uberlândia. A decisão confirma a sentença da 1.ª Vara Criminal da cidade do Triângulo Mineiro. O relator da apelação, juiz Audebert Delage, afirmou que "não há prova satisfatória para sustentar uma decisão condenatória", salientando que "não se pode admitir o mínimo de dúvida quanto à responsabilidade do agente na produção do evento danoso para alicerçar sua condenação". Os juízes Lamberto Sant´Anna e Rosauro Júnior acompanharam o voto do relator. Na época, o acidente ganhou grande repercussão no País. Alexandre Pires dirigia um jeep Cherokee, em direção ao aeroporto de Uberlândia, quando, ao realizar uma curva, bateu contra a lateral direita de uma moto, que era conduzida por Sobrinho. O motociclista foi arremessado contra um poste de iluminação pública, o que lhe causou a morte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.