Justiça aceita denúncia contra 22 integrantes do PCC

O juiz da 7ª Vara Criminal, Ronaldo Sérgio Moreira da Silva, recebeu hoje denúncia por crime de formação de quadrilha armada (pena de 2 a 6 anos) de cadeia contra 22 pessoas, entre elas três advogados acusados de liderarem o Primeiro Comando da Capital (PCC). O recebimento da denúncia, implica na instauração de ação penal. O interrogatório dos réus será em julho, em data mantida em sigilo por questão de segurança. Os que estão presos em presídios do interior e Eutros estados, serão ouvidos por carta precatória.Os principais denunciados são Cesar Augusto Roris da Silva, o Cesinha e José Eduardo Moura da Silva, o Bandejão. Eles são os principais chefes do PCC, juntamente com José Márcio Felicio, o Geleião, preso em outro estado, que não foi incluído na denúncia porque já responde a outro processo pelo mesmo crime. Estão também denunciados os advogados Anselmo Neves Maia, Leyla Maria Alambert presos preventivamente e Monica Fiore Hernandez. Eles serviriam como " pombos correio" entre as lideranças e as diversas ramificações do PCC, que desde l993 dominam os presídios de São Paulo. A denúncia é resultado de diligências realizadas pelos promotores Roberto Porto e Márcio Sérgio Christino, do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO) e pelos delegados do DEIC, Ruy Ferraz Fontes e Alberto Mateus Pereira Junior. Com autorização judicial, eles gravaram 470 horas de conversas mantidas, por celulares, entre os integrantes do PCC. A prova demonstra que, mesmo na cadeia eles ordenaram a realização de seqüestros, assassinatos de rivais e atentados contra diversos fóruns.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.