Justiça apreende documentos contra procuradores federais

A Justiça apreendeu hoje, no escritório do advogado José Carlos Tórtima, documentos que supostamente demonstram que os procuradores federais Gino Liccione e Marylucy Santiago teriam contas em bancos na Suíça.Os procuradores atuaram no caso do escândalo dos fiscais estaduais e auditores federais que enviaram irregularmente US$ 33,4 milhões para contas naquele país. Vinte e duas pessoas foram condenadas, entre elas o auditor Sérgio de Lucena, defendido por Tórtima.O advogado telefonou para Marylucy para marcar uma reunião na qual apresentaria os documentos. Ele diz os ter recebido pelo correio em um envelope sem remetente. A procuradora, que afirma nunca ter tido contas no exterior, solicitou à Justiça a apreensão dos papéis. Tórtima disse que a procurou para alertá-la, pois percebeu que os documentos eram falsos. Os papéis, nos quais aparecem também os nomes dos pais da procuradora, serão submetidos a perícia para determinar se as assinaturas são verdadeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.