Justiça aumenta pena de integrantes do PCC

A 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça decidiu nesta segunda-feira, 29, aumentar as penas impostas a dois "pombos-correios" da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), Rogério Jeremias de Simone e Rosângela Aparecida Legramandi Peres. Eles são acusados de repassarem bilhetes com informações a Marcos Camacho, o Marcola, líder do PCC, quando esteve preso em Avaré, sobre o assassinato do juiz corregedor de Presidente Prudente, Antonio José Machado Dias, ocorrido em 14 de março de 2003. Marcola é acusado de ter planejado o crime. Rogério, que estava condenado a cinco anos de prisão, vai cumprir, agora, sete anos e Rosângela, que estava condenada a três anos e seis meses, vai cumprir quatro anos e oito meses de prisão.Na época em que Rosângela foi presa, dias depois do assassinato, em 2003, a polícia encontrou com ela dois pentes de munição privativa das Forças Armadas, agendas com nomes de integrantes do PCC e recados passados a membros da facção, que foram apreendidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.