Justiça autoriza continuação de reformas para Casa Cor

A disputa jurídica entre a Casa Cor na Vila Andrade, zona sul e seus vizinhos está longe de terminar. Hoje, a juíza Ana Paula Bandeira Lins da 7ª Vara da Fazenda Pública autorizou a empresa a continuar com a obra de reforma de um antigo clube do bairro na rua Dona Maria Mesquita da Mota e Silva 90. A obra está embargada pela sub-prefeitura de Santo Amaro. Como não houve a expedição de mandado e a Prefeitura não foi avisada da liberação, a casa não foi deslacrada nem as obras iniciadas. De tarde, o subprefeito de Santo Amaro, Ramiro Meves chegou a mandar fiscais e guardas-civis metropolitanos ao imóvel com ordem para embargar a obra - caso ela estivesse sendo reiniciada - e deter os responsáveis levando-os à delegacia de polícia. ? Como não recebemos nenhum comunicado oficial da justiça, a obra continua irregular e sem autorização? disse Meves. Deacordo com ele, árvores centenárias foram arrancadas sem autorização da Prefeitura. Na frente da casa continua a placa de lacre. Dentro só há vigilantes. A assessoria de imprensa da Casa Cor confirmou que não houve retomada das obras no imóvel. A empresa prefere esperar atésegunda feira para retomar a posse do imóvel.

Agencia Estado,

30 de abril de 2004 | 18h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.