Justiça autoriza quebra de sigilo telefônico de Naya

A Justiça do Rio autorizou a quebra do sigilo telefônico do ex-deputado e empresário Sérgio Naya, que cumpre dois mandatos de prisão preventiva na carceragem de prisão especial da Polícia Interestadual (Polinter) no Rio. O juiz da 34.ª Vara Criminal, Cairo Ítalo França David, requisitou cópias das contas de três aparelhos telefônicos mais usados por Naya entre os anos de 2003 e 2004.Segundo nota da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça, o juiz decidiu quebrar o sigilo telefônico ?diante das suspeitas de que Sérgio Naya poderia estar atuando para produzir provas que o livrassem das denúncias de falsificações e irregulares nos processos que responde?.Mas o advogado das vítimas, Nélio Andrade, entra amanhã com pedido de reconsideração da decisão. Ele quer a quebra do sigilo telefônico pelo período de 2001 a 2004. ?Foi nessa época que o juiz Alexander Macedo entrou no processo e começaram as liberações do patrimônio do Naya?, afirmou Andrade.Macedo está sendo investigado pelo Conselho da Magistratura por conduta irregular no processo. Ele é acusado de liberar parte dos bens de Naya sem o conhecimento do Ministério Público e das vítimas.Naya é acusado de falsificar a escritura de venda de uma fazenda, para conseguir que ela fosse desbloqueada, forjou opagamento de R$ 100 mil a um consultor internacional, na verdade mestre de obras do Palace, e simulou a venda de duasMercedes 1982 para pagamento de falsa dívida.Os carros eram de 1995 e nunca saíram do patrimônio do Naya.O Ministério Público Estadual recebeu ontem cópias das agendas apreendidos pela Polícia Federal com o empresário Sérgio Naya. A documentação foi encaminhada para a Assessoria de Investigações Penais, que dará parecer sobre a existência ou não de envolvimento criminal do juiz Alexander Macedo. Dois documentos mostram a intenção de funcionários de Naya em se encontrar com o juiz ?para discutir a defesa?. Não se sabe se os encontros aconteceram.

Agencia Estado,

01 de abril de 2004 | 20h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.