Justiça autoriza quebra dos sigilos de Abel e de 750 ligações

A Justiça Federal de Mato Grosso decretou nesta terça-feira a quebra do sigilo bancário e fiscal do empresário Abel Pereira, supostamente envolvido em negócios promovidos por Luiz Antonio Vedoin, chefe da máfia das ambulâncias superfaturadas. E autorizou ainda a quebra de sigilo de 750 linhas telefônicas que podem ter relação com a tentativa de compra do dossiê Vedoin. O trabalho consiste no cruzamento de dados relativos à quebra do sigilo de 750 linhas telefônicas, móveis e fixas, com informações do sistema bancário e financeiro, inclusive do mercado do dólar. Amigo de Barjas NegriO empresário Abel Pereira é amigo de Barjas Negri, prefeito de Piracicaba (SP) e ex-ministro da Saúde no governo Fernando Henrique Cardoso. O empresário está sob investigação da PF e também da CPI dos Sanguessugas. O pedido de acesso aos dados confidenciais do empresário, feito pelo procurador da República Mário Lúcio de Avelar, foi concedido pelo juiz Jefferson Schneider, da 2ª Vara Federal de Mato Grosso. A PF pediu também à Justiça autorização para tomar novo depoimento de Vedoin, desta vez para falar apenas sobre Abel. Origem do dinheiroO delegado Diógenes Curado Filho, que preside o inquérito sobre o caso, reuniu-se nesta terça-feira durante cerca de duas horas com o delegado Luiz Flávio Zampronha, que trouxe de Brasília um relatório sobre cerca de 30 corretoras de valores e casas de câmbio por onde transitaram US$ 109,8 mil - parte da bolada amealhada pelo PT. O documento indica ?um número muito elevado? de nomes - pessoas físicas e jurídicas - que sacaram esse dinheiro no período de um mês antes de a PF capturar em São Paulo Gedimar Passos e Valdebran Padilha de posse do R$ 1,75 milhão, montante que teria sido entregue a eles por Hamilton Lacerda, ex-coordenador da campanha de Aloizio Mercadante (PT) ao governo paulista. ?Quero dar uma resposta à sociedade pelo menos uma semana antes do segundo turno (no dia 29)?, declarou Curado. ?Nem que seja para divulgar que é impossível identificar a origem do dinheiro.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.