Justiça autoriza viagem de dona da Daslu

A Justiça autorizou a empresária Eliana Tranchesi, dona da butique Daslu e acusada de várias irregularidades na importação de produtos de luxo, a embarcar para a Europa amanhã. Segundo seu advogado, Antonio Claudio Mariz de Oliveira, a viagem será de trabalho. "Ela vai assistir a desfiles e observar as tendências da moda, atividades que fazem parte do seu trabalho", disse. Eliana volta no dia 6, viaja acompanhada da sócia Donata Meirelles e deve visitar Milão e Paris.A autorização foi concedida pela juíza Maria Isabel do Prado, da 2.ª Vara Federal de Guarulhos, onde corre o processo contra a empresária. "Rigorosamente o pedido de autorização não era necessário porque a acusada não tem restrição de locomoção. Mas resolvemos pedir para evitar equívocos e mostrar que o acusado está à disposição", diz o advogado.A juíza negou esta semana a transferência do processo para São Paulo, como foi solicitado por Mariz. Ele entende que a empresária deveria ser julgada em São Paulo e não em Guarulhos porque o "crime, se houve, foi consumado aqui e não lá."Eliana, o irmão, Antônio Carlos Piva de Albuquerque, e outros cinco representantes de importadoras foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF) por crimes de formação de quadrilha, importação irregular, tentativa de importação irregular e falsidade ideológica por fraude em documentos de importação.De acordo com o MPF, a mercadoria era importada de grifes estrangeiras por empresas importadoras que revendiam os produtos à Daslu. O MPF encontrou documentos em que os preços das mercadorias eram muito inferiores ao valor real. A intenção era recolher menos impostos por esses produtos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.