Justiça cancelou 134 títulos

Entre abril e junho do ano passado, a Justiça Eleitoral de Cajamar cancelou 134 títulos de eleitores que não conseguiram comprovar residência na cidade. O cancelamento desses títulos foi determinado a partir de denúncias encaminhadas à Justiça Eleitoral pela coligação política que apoiou o candidato derrotado. Eles acusavam o prefeito Toninho Ribas de registrar em Cajamar títulos de eleitores transferidos irregularmente de outros municípios.Mais ainda: assim que as urnas foram abertas, surgiram denúncias de que eleitores com títulos cancelados haviam votado normalmente. Na 50ª seção eleitoral da cidade, a urna eletrônica aceitou o voto de cinco pessoas portadoras de títulos cancelados. Os mesários comunicaram formalmente o fato à Justiça.A coligação política de Silva recorreu ao juíz eleitoral três dias depois das eleições, mas só conseguiu juntar provas materiais ao processo em dezembro de 2000. ?Nós nos limitamos a provar fraude em apenas 14 casos, porque esse número já seria suficiente para mudar o resultado das eleições?, diz Silva.Na semana passada, a coligação partidária teve acesso às listas oficiais de eleitores e descobriu 50 novas suspeitas de fraude. Entre elas, os nomes de 17 pessoas mortas que também teriam votado. Advogados e assessores da coligação estão procurando, nos cartórios da cidade, atestados de óbito e registros de nascimento dos supostos falsos eleitores para descartar qualquer possibilidade de que se tratem de homônimos. Procurado durante toda a semana, o prefeito Ribas não atendeu a Agência Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.