Justiça concede habeas corpus a mulher de líder do tráfico

O Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu, nesta quarta-feira, habeas corpus a Márcia Cristina Alves de Araújo, mulher do traficante Róbson André da Silva, o "Robinho Pinga", um dos líderes do tráfico de drogas na cidade do Rio de Janeiro. Márcia havia sido presa em outubro de 2002 na cidade de Peruíbe, litoral Sul paulista, acusada de falsificação de documentos, formação de quadrilha, tráfico de drogas e corrupção ativa. Na ocasião, os policiais miliutares encontraram R$ 2 milhões em jóias na casa de Márcia e interrogaram-na, gravando o depoimento, com a autorização dela. Robinho continua foragido.O promotor Enilson Komono, do Ministério Público de São Paulo, critica a decisão do STF, dizendo que foi "equivicada", pois o depoimento da traficante feito à Polícia Militar teria sido adulterado por peritos do Instituto de Criminalística em favor da acusada. Segundo Komono, os peritos do Instituto de Criminalística que transcreveram a gravação do depoimento feito por Márcia omitiram muitos detalhes, como o quanto de dinheiro que se arrecadava com o tráfico, de onde vinha e para onde ía a droga, os tipos de armas usadas no crime, os locais e morros usados como distribuição da droga e controle do tráfico etc. "Como ela está sendo acusada de tráfico e co-autoria junto com o marido em outros crimes, esse habeas corpus pode até, futuramente, beneficiar o próprio traficante que está sendo procurado", disse o promotor. O Ministério Público investiga a ligação de Robinho Pinga com outros chefes de quadrilhas de traficantes no Rio de Janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.