Justiça condena acusados de integrar cúpula do bicho a 48 anos de prisão

Além da condenação, operação Hurricane da PF prendeu oito membros de alto escalão do jogo do bicho nesta terça-feira

Agência Brasil,

13 Março 2012 | 13h45

SÃO PAULO - Cinco anos depois das investigações da Operação Hurricane, que resultaram na prisão de mais de 20 pessoas, entre magistrados, policiais e empresários de casas de jogos ilegais, a 6a Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro condenou acusados de integrarem a chamada "cúpula do jogo do bicho" no Estado.

 

Vinte e três pessoas foram condenadas, entre eles, Ailton Guimarães Jorge, o capitão Guimarães, Aniz Abrahão David, o Anísio, e Antonio Petrus Kalil, o Turcão, por crimes como corrupção, contrabando e formação de quadrilha. Acusados de chefiarem a quadrilha, eles foram condenados a 48 anos e 8 meses de prisão, em regime fechado.

 

Entre as acusações está o pagamento de suborno a desembargadores e outras autoridades públicas. A Polícia Federal cumpriu hoje (13) dez mandados de prisão expedidos pela Justiça, para cumprimento da sentença.

 

Também investigados pela Operação Hurricane, dois desembargadores (José Eduardo Carreira Alvim e Ernesto da Luz Pinto Dória), o procurador regional da República João Sérgio Leal Pereira e o ministro do Superior Tribunal de Justiça Paulo Roberto Medina estão sendo julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por terem foro privilegiado. A ação contra José Ricardo Regueira foi extinta porque ele morreu em 2008. As informações são da Agência Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.