Justiça condena acusados de integrar cúpula do bicho a 48 anos de prisão

Além da condenação, operação Hurricane da PF prendeu oito membros de alto escalão do jogo do bicho nesta terça-feira

Agência Brasil,

13 de março de 2012 | 13h45

SÃO PAULO - Cinco anos depois das investigações da Operação Hurricane, que resultaram na prisão de mais de 20 pessoas, entre magistrados, policiais e empresários de casas de jogos ilegais, a 6a Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro condenou acusados de integrarem a chamada "cúpula do jogo do bicho" no Estado.

 

Vinte e três pessoas foram condenadas, entre eles, Ailton Guimarães Jorge, o capitão Guimarães, Aniz Abrahão David, o Anísio, e Antonio Petrus Kalil, o Turcão, por crimes como corrupção, contrabando e formação de quadrilha. Acusados de chefiarem a quadrilha, eles foram condenados a 48 anos e 8 meses de prisão, em regime fechado.

 

Entre as acusações está o pagamento de suborno a desembargadores e outras autoridades públicas. A Polícia Federal cumpriu hoje (13) dez mandados de prisão expedidos pela Justiça, para cumprimento da sentença.

 

Também investigados pela Operação Hurricane, dois desembargadores (José Eduardo Carreira Alvim e Ernesto da Luz Pinto Dória), o procurador regional da República João Sérgio Leal Pereira e o ministro do Superior Tribunal de Justiça Paulo Roberto Medina estão sendo julgados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), por terem foro privilegiado. A ação contra José Ricardo Regueira foi extinta porque ele morreu em 2008. As informações são da Agência Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.