Justiça condena TAM a pagar R$ 30 mil por fazer criança viajar sozinha por 20 h

Voo deveria ir de São Luís para Barreiras, mas fez diversas escalas e, no fim, menino viajou 500 km de táxi

Priscila Trindade, Central de Notícias

06 de abril de 2011 | 14h22

SÃO PAULO - A 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) condenou a TAM Linhas Aéreas a indenizar em R$ 30 mil um passageiro menor de idade, que chegou com atraso de mais de 20 horas ao destino final, em fevereiro de 2008. Na terça-feira, a Justiça negou o recurso da companhia.

 

Segundo o TJ-MA, o pai do garoto, que na época do ocorrido tinha 12 anos de idade, ajuizou pedido de indenização contra a empresa aérea. Ele alegou que o filho havia viajado de São Luís, no Maranhão, para Vitória da Conquista, na Bahia, mas não chegou no horário previsto e teve de passar a noite no município baiano de Barreiras sem o consentimento dos pais.

 

Além disso, os responsáveis pelo jovem não foram informados sobre a localização do filho. No dia seguinte, o menino teria sido transportado para o destino final de táxi, numa viagem de mais de 500 km, sem dinheiro ou alimentação.

 

No recurso da TAM, a relatora Nelma Sarney entendeu que o atraso de mais de 20 horas justifica a necessidade de ressarcimento pelo dano, até porque a empresa não forneceu apoio financeiro e informação à família do passageiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.