Justiça condena Varig por atraso de vôo provocado por ator

A quantia de R$ 8,1 mil, é quanto a Varig terá de dar a um passageiro descontente. A Justiça de Minas Gerais acabou de condenar a companhia aérea a indenizar por danos morais e materiais um advogado mineiro, que perdeu um dia de curso no exterior por causa do atraso em um vôo, provocado pelo ator André Gonçalves. A decisão da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Alçada de Minas foi divulgada nesta quarta-feira. O advogado Alexandre Rodrigues Atheniense embarcou em Belo Horizonte no dia 30 junho de 2001, para fazer um curso de extensão em uma faculdade de Boston, nos Estados Unidos, com início no dia 2 do mês seguinte. O vôo saiu com uma hora de atraso, o que impediu que ele pegasse a conexão em São Paulo para Nova Iorque. No dia 1º, Alexandre embarcou, mas o avião teve de fazer um pouso de emergência em Belém, depois que o ator André Gonçalves, que estaria embriagado, discutiu com outros passageiros e comissár ios do vôo. Depois de ficar três horas em Belém, o avião decolou, mas o advogado desembarcou em Boston com um dia de atraso, perdendo as primeiras aulas do curso. O relator da decisão, juiz Elias Camilo, afirmou que o dano moral foi caracterizado pela "sensação de impotência e o aborrecimento causados ao advogado devido ao atraso de mais de 24 horas em sua viagem". A assessoria de imprensa da Varig informou que a empresa vai recorrer assim que a decisão foi publicada. As informações são do site da Globo News.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.