Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Justiça converte prisão de Anísio da Beija-Flor de flagrante para preventiva

Prisão ocorreu quase um mês após a operação deflagrada para prender contraventores

Priscila Trindade, do estadão.com.br,

12 Janeiro 2012 | 19h00

SÃO PAULO - A Justiça do Rio de Janeiro converteu nesta quinta-feira, 12, a prisão em flagrante de Aniz Abrahão David, o "Anísio da Beija-Flor", em preventiva. Ele foi preso em Copacabana, na zona sul da cidade, na quarta-feira, 11, por contravenção e formação de quadrilha.

A decisão foi estendida para o policial civil Pedro Cardoso de Almeida e Maurício de Oliveira, preso junto com o patrono da beija-flor. O juiz da 23ª Vara Criminaldo Rio, Daniel Vianna Vargas, afirmou que a "a liberdade dos indiciados neste momento, qualquer deles, acarreta grande possibilidade de destruição dos elementos de prova".

O magistrado explicou ainda que a prisão em flagrante foi efetuada dentro das normas legais, não havendo hipótese de relaxamento de prisão.

A prisão aconteceu quase um mês após a Operação Dedo de Deus da Polícia Civil, deflagrada para prender 60 contraventores. Anísio teve a prisão decretada na época, mas seus advogados conseguiram habeas corpus. Na segunda-feira, o desembargador Paulo Rangel revogou a liberdade de Anísio.

Anísio estava em um carro Sandero acompanhado de Pedro Cardoso Almeida, irmão de Paulo Cardoso de Almeida, ex-presidente da Liga das Escolas de Samba (Liesa). O policial estava armado com uma pistola oficial e dois carregadores. No carro estava um homem identificado como Maurício Oliveira, também indicado por formação de quadrilha.

Mais conteúdo sobre:
Justiça Anísio Beija-Flor

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.