EVARISTO SA / AFP
EVARISTO SA / AFP

Justiça decreta novo pedido de prisão preventiva contra João de Deus

Desta vez, Tribunal de Justiça de Goiás avaliou suposto porte ilegal de arma de fogo

Julia Lindner, BRASÍLIA

21 de dezembro de 2018 | 19h55

O juiz Liciomar Fernandes da Silva, do Tribunal de Justiça de Goiás, acatou nesta sexta-feira, 21, novo pedido de prisão preventiva contra João Teixeira de Faria, o médium João de Deus, que está preso desde o último domingo por denúncias de abusos sexuais durante tratamento espiritual. A nova prisão foi decretada por suposto porte ilegal de arma de fogo de uso permitido e restrito. 

Nos últimos dias foram apreendidas seis armas, além de mais de R$ 400 mil, pedras preciosas e medicamentos em propriedades ligadas ao médium. Hoje, em novos mandados de busca e apreensão, foram encontradas mais pedras preciosas e uma mala de dinheiro

A primeira ordem de prisão, decretada na sexta-feira passada, 14, foi pela suspeita de abuso sexual. A denúncia baseou, nesta quinta-feira, o indiciamento de João de Deus por violação sexual mediante fraude. Segundo a Polícia Civil, ainda há outros oito procedimentos envolvendo mulheres de 20 a 40 anos em andamento que podem causar novos indiciamentos. 

Na decisão desta sexta, Silva afirmou que a prisão preventiva é “necessária para a garantia da ordem pública, em razão da gravidade concreta do crime, em face da grande quantidade de armas e munições que o investigado mantinha em sua posse”. Entre as seis armas encontradas na residência de João de Deus, uma delas estava com a numeração raspada.  

O magistrado ainda destacou que a liberdade do médium poderá abalar “a paz e a tranquilidade no meio social, vez que essa liberdade servirá de incentivo para que outros indivíduos venham a praticar crimes de mesma natureza, além de permitir que ele continue a delinquir, o que justifica a restrição da liberdade”.

O advogado de João de Deus, Alberto Toron, criticou a decisão e disse que é “deplorável que profissionais da imprensa tenham acesso à decisão e os advogados, não”. “A decretação da nova prisão preventiva, além de desnecessária, pois o investigado já está preso, se mostra inidônea porque calcada do desejo de calar o clamor público contra a impunidade”, escreveu Toron, em nota.

A defesa também alega que “a jurisprudência dos nossos tribunais é pacífica no sentido de que a prisão preventiva não se presta a punir sem processo e sem defesa”. “Prisão preventiva serve para tutelar os interesses cautelares do processo, coisa que não se demonstrou.” 

Nesta decisão, a Justiça também autorizou novos mandados de busca e apreensão em três endereços ligados ao médium João de Deus. Na nova operação foram encontradas pedras preciosas e uma mala de dinheiro. 

Sobre o mandado de busca, a defesa classificou como inadmissível porque diz que foi determinada com base em denúncia anônima e foi genérica. “Mais: não se lavrou auto de apreensão no local como manda a lei. Portante, a diligência é írrita”, diz Toron.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.