Justiça decreta prisão de Bruno; polícia tenta prender goleiro no Rio

O menor J., de 17 anos, primo de Bruno que ontem confessou sua suposta participação no desaparecimento de Eliza, foi levado para MG, para auxiliar na localização do corpo

estadão.com.br

07 de julho de 2010 | 08h46

Polícia de Contagem (MG) chega para participar das investigações, na zona oeste do Rio

 

Seis equipes da Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro procuram o goleiro do Flamengo, Bruno Souza, e seu amigo, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, suspeitos do sequestro e assassinato de Eliza Samudio, ex-namorada do atleta que dizia ter tido um filho com ele. O Tribunal de Justiça do Rio acolheu pedidos de prisão, feitos ontem à noite pelo Ministério Público fluminense, mas policiais que passaram parte da madrugada na porta da residência do jogador, no Condomínio Nova Barra, no Recreio dos Bandeirantes, não o localizaram em casa, de manhã. Bruno e Macarrão já são considerados como foragidos da Justiça.

 

Veja também:

linkPolícia mineira diz ter provas que envolvem Bruno

linkTestemunhas reconhecem roupas de Eliza em sítio

linkExame aponta substâncias abortivas em jovem

 

O menor J., de 17 anos, primo de Bruno que ontem confessou sua suposta participação no sequestro e morte de Eliza, foi levado para Minas Gerais, para auxiliar na localização do corpo.

 

Prisão temporária

 

O Ministério Público de Minas Gerais confirmou que o Tribunal do Júri de Contagem, na Grande Belo Horizonte, concedeu a prisão temporária de oito suspeitos de envolvimento no crime.

 

Os nomes não foram divulgados, mas entre os suspeitos que tiveram a prisão temporária decretada estão o goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, sua mulher, Dayanne Souza, e seu braço-direito, Luiz Henrique Romão, o Macarrão. Dayanne foi presa pela manhã, segundo o advogado Ércio Quaresma.

 

O mesmo advogado informou que já foi cumprida a prisão também de Cleiton Gonçalves, que teria sido apontado nesta terça-feira, 6, por um menor - em depoimento à Polícia Civil carioca - de ser o responsável por transportar e de entregar o suposto corpo da ex-amante do goleiro a um traficante para ser "desovado". O promotor designado para acompanhar o caso, Gustavo Fantini, deu parecer favorável às prisões, solicitadas pela Polícia Civil de Minas.

 

Eles são suspeitos de participar do assassinato de Eliza Samudio, ex-amante de Bruno. A jovem, que teria um filho do goleiro, está desaparecida desde 4 de junho.

 

(Com informações de Pedro Dantas, do Rio, e Eduardo Kattah, de Belo Horizonte)

 

Texto atualizado às 11h05.

Tudo o que sabemos sobre:
BrunoFlamengoprisãoEliza Samudio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.