Justiça decreta prisão temporária de acusados de linchamento no Rio

Duas mulheres e um homem estão sendo procurados pela polícia, que ainda tenta identificar outros envolvidos no crime em Ipanema

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

17 Novembro 2015 | 17h30

RIO - A Justiça do Rio decretou a prisão temporária, por 30 dias, de três acusados de participar do linchamento do vendedor de gelo Fabiano Machado da Silva, de 33 anos, espancado até a morte na manhã do último domingo, 15, na Rua Gomes Carneiro, em Ipanema (zona sul do Rio).

Alan Cesar de Mesquita, Ana Alice Alves Cosme Carneiro e Ingrid Caldeira Mendes estão sendo procurados pela polícia, que ainda tenta identificar outros envolvidos no crime. 

Nesta segunda-feira, 16, os três se apresentaram na 74ª DP, situada em Alcântara, bairro de São Gonçalo (Região Metropolitana do Rio), e foram levados para prestar depoimento na Delegacia de Homicídios do Rio, que investiga o caso. À noite, após prestarem depoimento, todos foram liberados.

Na madrugada desta terça, 17, a juíza Maria Izabel Pena Pieranti, responsável pelo plantão judiciário do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), atendeu pedido da Delegacia de Homicídios e decretou a prisão dos três.

Para a magistrada, a vítima não teve chance de defesa. "Não se trata apenas de mais um homicídio, praticado em plena via pública, sob a luz do dia. (...) A vítima, depois de encurralada junto a um caminhão, foi barbaramente espancada por várias pessoas, com uma barra de ferro, recebendo ainda chutes, socos e pontapés. A ação configurou verdadeiro linchamento, não deixando qualquer chance de reação à vítima", escreveu a juíza. Ela ressalta ainda que, segundo as imagens gravadas por uma câmera de vigilância e as fotografias do cadáver, a maioria dos golpes atingiu a cabeça da vítima.

No depoimento desta segunda à polícia, os três acusados alegaram que a agressão foi iniciada por Silva.

Trinta dias após a prisão dos três a ordem judicial se encerra e, caso não haja renovação da decisão de prisão, eles serão libertados.

O caso. Silva foi agredido após discutir com duas mulheres. Imagens de uma câmera de vigilância mostram que ele estava armado com uma barra de ferro, que uma das mulheres conseguiu pegar de suas mãos. Após vários momentos de discussão, cuja razão não está esclarecida, as duas mulheres e um grupo de rapazes começaram a agredir Silva, que caiu e desmaiou. Mesmo desacordado, ele continuou sendo agredido. 

Os agressores se dispersaram após deixar o vendedor caído na calçada. Um rapaz roubou o celular de Silva e conversou com familiares do vendedor, por meio do WhatsApp, alertando que o rapaz havia apanhado muito. "Abusado, foi mexer com a mulher dos outros e ainda bateu em mulher", postou a pessoa, ainda não identificada.

 

Mais conteúdo sobre:
IpanemaViolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.