Justiça determina que Flamengo deposite pensão para filho de Eliza

Clube terá de repassar o equivalente a 17,5% do salário do goleiro Bruno, que está suspenso

Solange Spigliatti, Central de Notícias

28 Outubro 2010 | 15h26

SÃO PAULO - A Justiça do Rio de Janeiro determinou na última segunda-feira, 25, que o Clube de Regatas Flamengo deposite em juízo um porcentual do salário do ex-goleiro do clube, Bruno Fernandes.

 

Veja também:

linkBruno diz que Eliza está viva e confia que voltará aos gramados

 

O depósito deverá ser feito no processo pelo reconhecimento da paternidade e para recebimento de pensão, aberto por Eliza Samudio contra Bruno, quando ela estava grávida, em 2009. Além disso, Eliza acusava Bruno de tê-la agredido e tentado fazê-la abortar o bebê.

 

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, a decisão foi dada pela juíza Maria Cristina de Brito, da 1ª Vara de Família da Barra da Tijuca, que estabeleceu que o clube deve depositar em conta judicial, até o dia 5 de cada mês, o equivalente a 17,5% do valor recebido pelo goleiro, que está suspenso.

 

A juíza também determinou que o laboratório responsável pelo exame de DNA da criança envie o resultado à Justiça, no prazo de cinco dias a partir da publicação do despacho.

Mais conteúdo sobre:
caso Bruno Eliza Samudio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.