Justiça do DF adia julgamento de habeas corpus para Adriana Villela

Ela é acusada de atrapalhar investigação sobre os assassinatos de seu pai, o ex-ministro do TSE José Guilherme Villela, sua mãe e da empregada da família

Rosa Costa, O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2010 | 16h12

BRASÍLIA - A primeira turma criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios adiou para a próxima quinta-feira o julgamento do pedido de habeas corpus de Adriana Villela, que teve a prisão preventiva decretada no último dia 16 como suspeita de atrapalhar as investigações para elucidar o assassinato de seus pais, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, 73 anos, e Maria Carvalho Villela,69 anos, e da empregada Francisca Nascimento da Silva, 58 anos. O motivo do adiamento é que a procuradoria do Ministério Público não teve tempo de concluir seu parecer.

 

Os três foram assassinados com 73 facadas no dia 28 de agosto do ano passado, mas os corpos só foram localizados três dias depois.

 

Adriana é a única a permanecer presa entre os cinco que tiveram a prisão preventiva decretada por supostamente atrapalhar as investigações. Na quarta-feira, foram liberados a vidente Rosa Maria Jaques e seu marido João Cocchetto. Na sexta-feira passada, o desembargador Romão Cícero relaxou a prisão da ex-diarista dos Villela Guiomar Barbosa e o ex-agente da primeira delegacia de polícia José Augusto Alves, braço direito da delegada Martha Vargas, que conduziu os três primeiros meses da investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.