Justiça do Rio condena acusados de matar coordenador do AfroReggae

Evandro João da Silva, coordenador do grupo, Evandro estava a caminho de uma boate em outubro de 2009 quando foi assassinado por dois homens

Priscila Trindade, do estadão.com.br

17 de maio de 2010 | 17h38

SÃO PAULO - O Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) condenou nesta segunda-feira, 17, dois acusados de matar Evandro João da Silva, coordenador do grupo AfroReggae, no centro da cidade, em outubro de 2009.

 

A juíza Simone de Faria Ferraz, em exercício na 16ª Vara Criminal, condenou Rui Mário Maurício de Macedo a 24 anos de prisão. Da pena total, 21 anos e seis meses são relativos à condenação pelo crime de latrocínio (roubo seguido de morte), em regime fechado, um ano de reclusão devido às circunstâncias agravantes por motivo torpe e concurso de pessoas e um ano e meio pelo crime de receptação.

 

Já Reginaldo Martins da Silva foi condenado a 21 anos e seis meses de reclusão, sendo 20 anos e seis meses pelo crime de latrocínio, em regime fechado, e um ano pelo crime de receptação, em regime prisional aberto.

 

Na decisão, a magistrada afirmou que a pena de Rui Mário foi maior porque além de a ação ter sido organizada por ele, "o réu, conforme demonstrado nos depoimentos colhidos nos autos, não possui residência fixa, vivendo pelas ruas da cidade, praticando delitos com os demais moradores de rua".

 

CRIME

 

Evandro estava a caminho de uma boate na praça XV, por volta das 1h30, do dia 18 de outubro de 2009, quando foi abordado pela dupla na esquina das ruas do Ouvidor e do Carmo. Imagens do circuito de segurança de um estabelecimento flagraram o assassinato.

 

Dois policiais militares que estavam na região foram presos. Além de não prender os autores do crime, eles são suspeitos de roubar objetos pessoais da vítima. Em dezembro de 2009, a Justiça Militar concedeu liberdade aos PMs.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.