Justiça do Rio condena Bruno por cárcere privado de Eliza Samudio

Processo é diferente do que o goleiro responde em Minas Gerais; Macarrão também teria sido condenado

Priscila Trindade, Central de Notícias

07 de dezembro de 2010 | 10h10

SÃO PAULO - A Vara Criminal de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, condenou o goleiro Bruno Fernandes a quatro anos e seis meses de prisão por cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal contra a ex-amante Eliza Samudio, de 25 anos em 2009. A informação é da assessora do advogado Claudio Dalledone Júnior, responsável pela defesa do atleta. A defesa pretende recorrer da sentença.

 

O amigo dele, Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, foi condenado a três anos, por sequestro. O advogado dele não foi encontrado para comentar a sentença.

 

Em outubro de 2009, Eliza registrou queixa na Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam). Ela, que na época estava grávida de cinco meses, teria sido agredida e obrigada a ingerir medicamentos com substâncias possivelmente abortivas.

 

Na decisão, o juiz Marco José Mattos Couto negou aos réus a possibilidade de recorrer em liberdade sob o argumento de que "a prisão cautelar é imprescindível para garantir a ordem pública".

 

Novo processo. Bruno e Macarrão foram denunciados em julho deste ano pelo Ministério Público do Rio de Janeiro pelos crimes de sequestro, cárcere privado e de lesão corporal contra Eliza. Eles também são acusados de envolvimento no desaparecimento da jovem.

 

Ela sumiu no início de junho. A jovem tentava provar na Justiça que Bruno é pai de seu filho. No próximo dia 10, a juíza Marixa Fabiane Lopes, do Tribunal de Júri de Contagem (MG), irá decidir se Bruno e Macarrão, além de outros suspeitos dos crimes, irão a júri popular.

 

Atualizado às 12h27

Tudo o que sabemos sobre:
caso Bruno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.