Justiça do Rio determina prisão de oito suspeitos da morte de bombeiro

Disputa na exploração do jogo do bicho e de máquinas caça-níqueis teria motivado o crime, ocorrido em 2010

Marcela Gonsalves, Central de Notícias

02 de maio de 2011 | 16h29

SÃO PAULO - O 4º Tribunal do Júri do Rio de Janeiro decretou na última quinta-feira, 28, a prisão preventiva do contraventor Rogério Andrade e outros sete supostos comparsas envolvidos na morte do bombeiro Antonio Carlos Maced, em novembro de 2010.

 

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro, o assassinato foi motivado por uma disputa interna na exploração do 'jogo do bicho' e de máquinas de 'caça-níqueis'. Além disso, Andrade, suspeito de ser o mandante do crime, acreditava que a vítima estivesse envolvida na morte de seu filho.

 

Entre os demais acusados estão cinco Policiais Militares. Destes, dois teriam cometido o crime. Outros três eram seguranças particulares do bombeiro e teriam fornecido informações sobre seu trajeto e sua movimentação.

 

O MP sustenta que o crime foi cometido de forma a impedir a defesa da vítima, já que organizou-se uma emboscada em local onde a fuga era impossível, além de terem participado da ação seus próprios seguranças. A pena prevista para o crime de homicídio qualificado é de 12 a 30 anos de prisão.

Tudo o que sabemos sobre:
bombeiroriomilíciaassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.