Polícia Civil/AFP
Polícia Civil/AFP

Justiça do Rio nega soltura de acusado no caso Marielle Franco

Ex-PM, Elcio Vieira de Queiroz é acusado de dirigir o carro utilizado no assassinato da vereadora, morta em março do ano passado

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2019 | 13h30

RIO - A Justiça do Rio negou o pedido de liberdade feito pela defesa do ex-policial militar Elcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, um dos acusados de participar do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Queiroz está preso no Presídio Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, desde março.

Segundo a GloboNews, a defesa solicitou à Justiça que o acusado possa responder em liberdade, o que foi negado. O Estado tentou contato com os três advogados que representam Queiroz, mas não obteve retorno.

Uma audiência de instrução com Queiroz e Ronnie Lessa, outro preso também sob acusação de participar do crime, foi marcada para 7 de junho. Ela será feita mediante videoconferência.

Em denúncia, o Ministério Público do Rio afirmou que o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco, em 14 de março do ano passado, foi uma reação a sua atuação política. A Promotoria afirma que Ronnie Lessa efetuou os disparos de arma de fogo. Elcio Queiroz, segundo a investigação, conduziu o carro Cobalt usado na execução.

“O denunciado Elcio, amigo e compadre de Ronnie Lessa, concorreu dolosa e eficazmente para o crime, na medida em que foi o condutor do veículo Cobalt, placa clonada KPA 5923, utilizado na empreitada criminosa, sendo certo que o auxiliou moral e materialmente visando ao sucesso do crime, aderindo a todas as circunstâncias", afirmou a Promotoria.

Tudo o que sabemos sobre:
Marielle Franco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.