Justiça do Rio prorroga prisão dos quatro PMs suspeitos no caso Juan

Menino de 11 anos morreu após ser baleado em Nova Iguaçu, assim como outros quatro jovens

Priscila Trindade, estadão.com.br

22 Agosto 2011 | 11h05

SÃO PAULO - A Justiça do Rio prorrogou por mais 30 dias a prisão temporária de quatro PMs suspeitos de envolvimento na morte do menino Juan Moraes, de 11 anos, assassinado na comunidade Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, em junho deste ano. A decisão da 4ª Vara Criminal é da última sexta-feira.

 

A juíza Bianca Paes Noto ressaltou que a prisão temporária é necessária porque ainda estão sendo realizadas diligências para a obtenção das informações para o prosseguimento das investigações e que a liberdade dos PMs poderiam dificultar a colheita de provas.

 

Juan morreu durante uma suposta troca de tiros entre policiais e traficantes no dia 20 de junho. A perícia derrubou a versão apresentada pelos sargentos Isaías Souza do Carmo e Ubirani Soares e pelos cabos Rubens da Silva e Edilberto Barros do Nascimento.

 

Além dos assassinatos de Juan e do suposto traficante Igor de Souza Afonso, de 17 anos, eles responderão por tentar matar o irmão do estudante, de 14 anos, e um vendedor, de 19. Ambos foram baleados e estão incluídos em programas federais de proteção a testemunhas.

 

Dias depois, uma ossada foi encontrada a 2 km do local do crime, mas a perícia atestou que os restos mortais eram de uma menina. Outro exame constatou que o corpo era realmente de Juan. O corpo de Juan foi exumado na semana passada, no Cemitério municipal de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A defesa de um dos suspeitos de envolvimento no caso quer a realização de novos exames.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.