José Patrício/AE
José Patrício/AE

Justiça do Rio reduz pena do goleiro Bruno

Decisão é referente aos crimes praticados em 2009 contra Eliza Samudio; atleta continuará preso aguardando o julgamento pela suposta morte da modelo

Fábio Grellet - Agência Estado ,

14 Agosto 2012 | 18h56

RIO DE JANEIRO - O ex-goleiro do Flamengo, Bruno Fernandes, teve as penas por quatro crimes praticados contra a modelo Eliza Samudio reduzidas e extintas pela Justiça do Rio. Bruno está preso desde 7 de julho de 2010 pelo suposto homicídio da ex-namorada. Eliza desapareceu em junho de 2010, quando tentava provar que Bruno é o pai do seu filho.

A decisão se refere aos crimes praticados em 2009 contra Eliza. Apesar disso, o atleta continuará preso em Contagem, Minas Gerais, enquanto aguarda o julgamento pela suposta morte da ex-namorada.

Segundo a Justiça do Rio, o goleiro tentou intimidar Eliza ao saber que ela estava grávida. Bruno foi condenado por sequestro, cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal contra a modelo. Em primeira instância, Bruno foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão. Mas a Justiça reduziu a pena para um ano e dois meses. Como o goleiro está preso há mais tempo, a pena foi extinta.

O atleta não será libertado porque vigora contra ele um ordem de prisão preventiva emitido pela Justiça de Minas Gerais pelo desaparecimento de Eliza. O goleiro aguarda o julgamento de um habeas corpus impetrado perante o Supremo Tribunal Federal (STF) para esperar o julgamento em liberdade.

A Justiça do Rio também reduziu a pena de Luiz Henrique Romão, o Macarrão, apontado como o comparsa de Bruno nos crimes. A pena de Macarrão foi reduzida para um ano e dois meses e declarada extinta, mas ele também vai continuar preso aguardando julgamento pelo suposto homicídio de Eliza.

Mais conteúdo sobre:
goleiro Bruno Eliza Samudio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.