Justiça do Rio suspende prazos para advogados vítimas de desabamento

Presidente do TJ determinou a suspensão, por 30 dias, dos prazos de quem teve o escritório destruído ou em área interditada

30 Janeiro 2012 | 11h22

São Paulo, 30 - O presidente do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Manoel Alberto Rebêlo dos Santos, determinou na última sexta-feira, 27, a suspensão, por 30 dias, dos prazos processuais nas causas dos advogados que tinham escritórios nos edifícios que desabaram na noite da última quarta-feira, 25, no Centro do Rio. De acordo com o Ato Executivo publicado, a medida começou a contar a partir do dia 26 de janeiro.

Também ficam suspensos, segundo o TJ, os prazos das causas cujos advogados têm comprovadamente escritórios nas áreas interditadas das avenidas Treze de Maio, Chile e Almirante Barroso até que cesse a interdição, observado também o prazo máximo de 30 dias.

"Para não causar ainda mais danos aos advogados que já foram prejudicados por esta tragédia, o Tribunal de Justiça do Rio decidiu prestar sua solidariedade", destacou o presidente Manoel Alberto.

Mais conteúdo sobre:
desabamento, RJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.