Justiça dos EUA unifica ação sobre acidente da Gol

Embraer, fabricantes do transponder e do software de controle de vôo também serão réus no processo

Patrícia Campos Mello, do Estadão,

02 Outubro 2007 | 12h48

A Justiça norte-americana determinou nesta terça-feira, 2, durante audiência sobre o acidente entre o Boeing da Gol que fazia o vôo 1907 e o jato Legacy, ocorrido há um ano, que as empresas Embraer, fabricante do jato; a Rayteon, responsável pelo software de controle aéreo; e a Lockheed Martin, que produz turbinas, serão inclusos como réus no processo que pede que a Justiça americana analise se é capaz para julgar o caso.   Justiça rejeita denúncia contra controladores de vôo Especial: um ano de crise aérea Tudo sobre o vôo 1907    Atualmente, já estão na condição de réus os pilotos do Legacy, Paul Paladino e Joseph Lepore; a ExcelAir, dona do jato; e a Honeywell, que produz o transponder, aparelho de localização que apresentou defeito no momento do acidente.   Em audiência às 10 horas desta terça-feira em Nova York, a Justiça norte-americana determinou ainda que todos os 120 processos de indenização a famílias de vítimas do acidente da Gol devem ser reunidos em um único caso. Anteriormente, havia vários escritórios de advocacia representando as famílias. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.