Justiça impõe frota mínima para o metrô

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) concedeu nesta quarta-feira liminar ao pedido de dissídio coletivo feito pela Companhia do Metropolitano, determinando que, caso os metroviários entrem em greve na terça-feira, serão obrigados a manter 70% dos trens do metrô em circulação nos horários de pico, e 50% nos demais horários.Fixa também uma multa de R$ 100 mil por dia para quem descumprir a determinação. Antes da decisão do TRT, pelo menos 400 metroviários realizaram uma manifestação em frente do Palácio dos Bandeirantes, para reabrir as negociações salariais com a Companhia do Metropolitano (Metrô).Uma comissão dos trabalhadores foi atendida pelo secretário da Casa Civil, João Caramez. Durante meia hora, Caramez ouviu as reivindicações, prometeu levá-las ao conhecimento do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e garantiu que daria uma resposta ao deputado estadual Nivaldo Santana (PC do B).O parlamentar acompanhou a comissão, conforme o secretário-geral do Sindicato dos Metroviários, Wagner Fajardo. A categoria reivindica reajuste salarial de 7,74%, 4,14% de produtividade e 7,86% de resposição da inflação, referente ao período de maio de 1999 a abril de 2000.O Metrô oferece 5,5% de reajuste e anunciou que vai cortar alguns benefícios que constam do acordo coletivo dos metroviários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.