Justiça livra ex-reitor da UnB de condenação

Para juiz, não houve desvio nos gastos de R$ 470 mil feitos por Mulholland em 2007 para decorar o apartamento onde morava

Renato Andrade/ BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2010 | 00h00

A Justiça Federal negou ontem o pedido de condenação do ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB) Timothy Mulholland por ter gasto, em 2007, cerca de R$ 470 mil para decorar o apartamento onde morava, comprando até latas de lixo de R$ 1 mil. O juiz Hamilton de Sá Dantas considerou que não houve desvio de recursos ou má gestão por parte do ex-reitor ao usar dinheiro da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) para mobiliar o imóvel, que é de propriedade da UnB.

Além de Mulholland, a decisão também beneficiou Érico Paulo Weidle, decano da administração da UnB. O caso vai agora ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

O juiz deixou claro, na sentença, que discorda da ideia de que instituições precisam de instalações luxuosas para funcionar. Mas, como essa é uma decisão administrativa, não caberia condenar o ex-reitor por conta da reforma feita no apartamento. "Do contrário, o Ministério Público Federal teria de ajuizar inúmeras ações contra os administradores e membros dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, e até mesmo do próprio Ministério Público, que, notoriamente, transitam em carros luxuosos e usam instalações dignas de reis e rainhas." Segundo ele, enquanto não houver o "princípio da simplicidade" será preciso "conviver com o pensamento de que o luxo promove o desenvolvimento institucional ou é compatível com a dignidade do cargo".

Cartões. O caso do ex-reitor ganhou visibilidade no início de 2008, quando se discutiam também os gastos feitos por reitores de muitas universidades públicas com cartões corporativos - escândalo que levou à demissão da então ministra da Igualdade Racial Matilde Ribeiro.

O advogado Marcos Joaquim Gonçalves Alves, que defendeu Mulholland, comemorou a decisão. "O Judiciário acolheu todo nosso trabalho, mostrando que não houve desvio de dinheiro, nem improbidade administrativa", argumentou. Sócio do escritório Mattos Filho, Alves evitou comentar as críticas do juiz sobre a gastos com instalações luxuosas. "Ele fez um juízo de valor e, como advogado, não vou entrar nessa questão", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.