Justiça manda desocupar fazenda em Barretos

A Justiça concedeu nesta quarta-feira liminar de reintegração de posse da fazenda Queixada, a 20 quilômetros de Barretos, invadida no sábado por 230 famílias de trabalhadores sem terra ligados ao Movimento de Libertação dos Sem-Terra (MLST), grupo dissidente do Movimento Nacional dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).Na madrugada desta terça-feira aconteceu um conflito entre os invasores da área e outro grupo de sem-terra, ligado ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Barretos. Onze pessoas foram presas e três ficaram feridas. As famílias que estão ocupando a fazenda não haviam sido informadas da decisão judicial até a tarde desta quarta. A reintegração de posse foi solicitada à Justiça pelos proprietários da fazenda.As famílias de sem-terra, que estão na área, informaram que não vão deixar o local. A fazenda, de 1.300 hectares, já havia sido invadida em abril do ano passado por um grupo de trabalhadores rurais de Barretos que, na época, eram ligados ao MST.Três meses após a invasão eles deixaram o local por ordem judicial. A área foi vistoriada e considerada improdutiva em dezembro do ano passado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). No dia 28 de dezembro de 2000 foi publicado decreto declarando a fazenda área de interesse social para fins de reforma agrária, mas a família proprietária recorreu da decisão judicial, alegando que a área estava arrendada para pastagem de gado.O Incra faria uma nova vistoria nesta semana, o que não foi feito por causa da invasão do MLST. Os líderes dos trabalhadores rurais de Barretos, que estavam aguardando a desapropriação para assumir as terras, acreditam que o processo possa ser atrasado em dois anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.