Justiça manda prender 4 PMs por execuções

A Polícia Civil procura o sargento da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota) Ailton Rodrigues Machado, de 33 anos. Ele e outros três PMs do 37º Batalhão tiveram ontem a prisão temporária de 30 dias decretada pela Justiça. Com isso, sobe para 15 o número de policiais militares acusados de matar e decapitar pelo menos quatro rapazes em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. O grupo de extermínio também é suspeito de participar de uma chacina com cinco mortos, em 24 de setembro de 2008, na zona sul da capital. Além de Rodrigues tiveram a prisão decretada o tenente Adilson Moreira de Souza, de 45 anos, o sargento Rocisnaldo Cegatte, de 38, e o soldado Adilson Santos de Andrade, de 40. Os três estão recolhidos no Presídio Militar Romão Gomes. Rodrigues, que teria entrado de férias ontem, está foragido. A Justiça decretou as prisões com base no depoimento de uma testemunha ouvida anteontem pelo delegado Pedro Arnaldo Buk Forli, da Seccional de Taboão da Serra. A testemunha, cujo nome é preservado, também é PM e acusou Cegatte, Adilson, Rodrigues e Moreira de envolvimento no assassinato do portador de deficiência mental Antonio Carlos da Silva Alves, de 31 anos, decapitado em 9 de outubro. Segundo a testemunha, Cegatte exercia liderança sobre o grupo de extermínio e emprestou seu carro para transportar a vítima. O tenente Moreira foi apontado como matador e teria praticado outro crime com o soldado Rodolfo da Silva Vieira, de 27 anos, um dos assassinos do deficiente. O soldado Adilson Andrade foi acusado de ser participante ativo do grupo e era motorista de Moreira. Já o sargento Rodrigues foi acusado de ser o mentor do grupo de extermínio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.