Justiça manda prender padre que transformou igreja em 'masmorra erótica'

Ele teria algemado e obrigado um garoto de 14 anos a fazer sexo oral com ele, em 2007; Arquidiocese do Rio suspendeu atividades do padre

Priscila Trindade, do estadão.com.br

21 de maio de 2010 | 15h58

SÃO PAULO - A Justiça do Rio decretou na quinta-feira, 20, a prisão preventiva de um padre polonês Marcin Michal Strachanowski acusado de corrupção de menores. O padre ainda não foi localizado pela polícia.

 

Ele teria algemado e obrigado um menor a fazer sexo oral com ele, em 2007. O garoto, com 14 anos de idade na época, chegou a ser ameaçado pelo padre diversas vezes.

 

Na decisão, o juiz Alexandre Abrahão Dias Teixeira, da 1ª Vara Criminal de Bangu, na zona oeste, afirmou que o religioso transformou a Casa Paroquial numa espécie de "masmorra erótica".

 

"Os indícios brilhantemente colhidos durante a investigação, apontam o indiciado como uma pessoa compulsivamente ligada a sexo com adolescentes", afirmou o magistrado.

 

Em nota divulgada hoje, a Arquidiocese do Rio de Janeiro informou que "lamenta o ocorrido" e afirma que "o referido sacerdote já se encontra suspenso de suas funções paroquiais".

 

A arquidiocese ressalta existir além do processo criminal, o processo canônico que foi instruído pelo Tribunal Eclesiástico.

Tudo o que sabemos sobre:
RioPadreIgreja Católicapedofilia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.