Justiça manda soltar advogado acusado de defender o PCC

O Tribunal de Justiça concedeu hoje, por unanimidade, habeas corpus e mandou libertar o advogado Anselmo Neves Maia, de 58 anos, acusado de integrar a facção criminosa PCC. Ele estava na casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, desde 23 de maio do ano passado. Anselmo está sendo processado por crime de quadrilha juntamente com 20 outros réus, todos acusados de integrarem o PCC.O advogado seria responsável pelo fornecimento de celulares aos presos, além de levar mensagens para fora. A defesa alegou, no pedido de habeas corpus, que Anselmo, por ser advogado, tem direito a prisão especial ou a prisão domiciliar. Além disso, ele estava em Regime Especial Diferenciado (RED), que é aplicado pelo prazo máximo de 150 dias, mas somente aos condenados definitivamente por cometerem falta grave dentro da prisão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.