Justiça mantém multa de R$ 500 mil contra Hopi Hari por revista íntima

Ex-funcionário moveu ação trabalhista alegando que tinha que ficar praticamente nu; parque anunciou que irá recorrer

Ricardo Brandt, de O Estado de S. Paulo,

06 Fevereiro 2013 | 19h32

CAMPINAS - O parque de diversões Hopi Hari, em Vinhedo, interior de São Paulo, terá que pagar uma indenização de R$ 500 mil por submeter trabalhadores à revista íntima e à revista de armários, bolsas e outros pertences. O Tribunal Regional do Trabalho, em Campinas, manteve condenação contra o parque em uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho.

O caso aconteceu em 2010, após um trabalhador do Hopi Hari entrar na Justiça contra o parque alegando violações trabalhistas, entre elas a prática de revista íntima que o teria levado a ficar quase nu. O trabalhador foi preso acusado de furto de caixa. Ele estava com R$ 14,00, em dinheiro, dentro do parque, segundo o Ministério Público. Sem dinheiro para a fiança, ele ficou preso por quatro dias.

O procurador Ronaldo Lira, após ouvir outros funcionários, que teriam confirmado que tinham que “abrir ou retirar as roupas para exibição de partes do corpo, inclusive partes íntimas, verificação interna de bolsos, retirada de sapatos, palmilhas e meias”, decidiu mover uma ação contra o Hopi Hari.

“É concludente que a revista da forma como praticada causou um constrangimento a incontáveis trabalhadores, pois invadiu sua intimidade e dignidade”, escreveu a desembargadora Susana Graciela Santiso, relatora do caso, em sua decisão.

O parque havia firmado acordo com o Ministério Público para eliminar a revista íntima e de pertences dos empregados, em 2011, mas não aceitou pagar reparação ao dano coletivo. A indenização vai para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

O Hopi Hari vai recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho (TST). Por meio de assessoria, o parque informou que "não pratica e nunca praticou revista íntima" e que "repudiou tal procedimento". O parque alega que após a homologação de acordo, o procurador propôs recurso para exigir o pagamento de R$ 500 mil a título de "danos morais à coletividade". "Medida que consideramos indevida e injusta, tendo em vista homologação do acordo", informou o Hopi Hari.

Mais conteúdo sobre:
Hopi Hari revista íntima

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.