Justiça nega habeas corpus a sócio do traficante Léo

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido de habeas corpus para Wilson Torres, integrante da quadrilha do traficante Leonardo Mendonça, o Léo. Torres foi preso acusado de ligação com tráfico internacional de entorpecentes, lavagem de dinheiro, tráfico de influência e corrupção. Léo, um dos maiores traficantes do País, está preso em Brasília. De acordo com o processo, Wilson Torres é sócio do traficante em fazendas, construtoras, madeireiras e outros empreendimentos no sul do Pará. Além disso, ele seria responsável pela contratação de pilotos e proprietários de aeronaves para transporte de cocaína. "A participação de Wilson foi decisiva na contratação de todo o aparato aéreo que possibilitou Leonardo de deixar o Brasil, indo diretamente para a região controlada pelas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). Também é decisiva a orientação de Wilson no relacionamento de Leonardo com (o traficante) Fernandinho Beira-Mar", diz o processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.