Justiça nega habeas-corpus a usineiro em Ribeirão Preto

O usineiro Alexandre Titoto, um dos acusados de ter assassinado o analista financeiro Carlos Alberto de Souza Araújo em 23 de fevereiro, continua preso no Centro de Detenção Provisória (CDP), de Ribeirão Preto, pois o 2º vice-presidente do Tribunal de Justiça (TJ), de São Paulo, recusou o pedido de habeas-corpus de seu advogado de defesa. Titoto continua preso com o lavador de carros Adelir da Silva Motta, que confessou ter matado Araújo sem o auxílio do usineiro. No entanto, ele afirmou que Titoto teria presenciado tudo, inclusive a ocultação de cadáver numa cova rasa em fazenda de sua propriedade. O usineiro nega o crime e recusou-se a participar da reconstituição. No inquérito policial ambos são apontados como autores do crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.