Justiça nega habeas corpus para funcionário da Febem

O funcionário da Febem Edilson Bezerra Leite, acusado de torturar menores, teve negada hoje, pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, a concessão de habeas corpus para revogar a sua prisão preventiva. Ele teve a prisão decretada no último dia 23, juntamente com 13 outros funcionários.Todos são acusados de formação de quadrilha e de torturar adolescentes, entre março e abril desse ano, internados na extinta unidade da Febem em Parelheiros, na zona sul da capital paulista. O mérito da ação deverá ser julgado em até 40 dias.Os mandados de prisão expedidos contra os 14 réus ainda não chegaram à divisão de capturas da Polícia Civil. O promotor Alfonso Preste atribui a demora à problemas administrativos.O interrogatório dos réus está marcado para o início do próximo mês. O processo, por exigência do estatuto do menor e do adolescente, corre em segredo de Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.