Justiça nega indulto humanitário a Vilma Martins

A Justiça de Goiás negou nesta segunda-feira, 18, o indultohumanitário requerido por Vilma Martins e o Ministério Público, para ela tratar da saúde. Condenada a 15 anos e nove meses de prisão pelo seqüestro de Pedro Júnior Rosalino, o Pedrinho, e da menina Aparecida Fernanda Ribeiro. Também foram negados à ex-empresária os pedidos de prisão domiciliar e de autorização para tratamento médico fora da Casa do Albergado, onde ela cumpre a pena. A decisão foi anunciada pelo juiz Éder Jorge, da Vara de Execuções Penais de GoiâniaSegundo Vilma Martins e laudo de uma junta médica doJudiciário, ela tem problemas motores, sofre de diabetes,aneurisma cerebral, obesidade e hipertensão arterial. Para ojuiz, no entanto, ela não se enquadra à lei que prevê aconcessão do indulto humanitário condicional a condenado queseja "acometido, cumulativamente, de doença grave, permanente, apresentando incapacidade severa, com grave limitação de atividade e restrição de participação, exigindo cuidados contínuos", disse o juiz no despacho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.