Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Justiça nega pedido de transferência do julgamento de Flordelis de Niterói para o Rio

Defesa alegava resguardo da “ordem pública” e possível parcialidade do júri; relator do caso apontou que apontou que a argumentação não foi capaz de comprovar quebra de imparcialidade ou risco à segurança

Leon Ferrari, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2022 | 12h39

A Justiça carioca negou o pedido de transferência do julgamento da ex-deputada federal Flordelis dos Santos de Souza da comarca de Niterói para a da capital. A defesa alegava resguardo da “ordem pública” e possível parcialidade do júri. O desembargador Celso Ferreira Filho, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, que assina a decisão liminar, apontou que a argumentação não foi capaz de comprovar quebra de imparcialidade ou risco à segurança.

No final de abril, a 3ª Vara Criminal de Niterói adiou para 6 de junho, às 9h, o julgamento da ex-parlamentar acusada, pelo Ministério Público do Rio, de ser a mandante do homicídio do marido, o pastor Anderson do Carmo. Anteriormente, o júri estava marcado para 9 de maio. Além dela, também serão julgadas sua filha biológica Simone dos Santos Rodrigues, sua neta Rayane dos Santos Oliveira e seus filhos afetivos, André Luiz de Oliveira e Marzy Teixeira da Silva. 

Na decisão, Ferreira Filho relata que o pedido da defesa se baseia no “resguardo da ordem pública”, alegando que o caso gerou “comoção” e “perturbação” na comarca de origem. Como exemplo, foi citada a transmissão da prisão da ré na porta da residência dela, que teria gerado “linchamento digital”.

A defesa apontou que o “massacre midiático na comarca de origem penaliza a ré pois impacta negativamente o futuro Conselho de Sentença, comprometendo sua imparcialidade e independência de seu veredicto”. 

Ainda, alegou imparcialidade da juíza titular da 3ª Vara Criminal da Comarca de Niterói, Nearis dos Santos Carvalho Arce. Isso porque a magistrada teria tratado Flordelis “rispidamente” e também proferido palavras como “bárbaro”, “repugnante” e “desprezível” para anunciar sentenças relacionadas ao crime.

A defesa também indicou que a juíza, ao final de abril, se reuniu com “potenciais jurados do caso”, o que poderia comprometer a imparcialidade deles. Nos autos, o desembargador destacou que o encontro se tratava de “reunião rotineira entre a magistrada e eventuais componentes do corpo de jurados, na qual Ministério Público, assistente de acusação ou defesa têm acesso”.    

Ferreira Filho, ao indeferir o pedido, destacou que a “a argumentação expendida não demonstra que há efetiva quebra de imparcialidade do júri ou da segurança da requerente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.