Justiça nega revogação de prisão de professor que matou aluna no DF

Professor alegou estar inconformado com término do relacionamento com a estudante

Priscila Trindade, estadão.com.br

04 Outubro 2011 | 17h36

SÃO PAULO - A Justiça do Distrito Federal negou nesta terça-feira, 4, o pedido de revogação de prisão do professor universitário Rendrik Vieira Rodrigues, de 35 anos, que confessou ter assassinado a estudante Suênia Souza Farias, de 24 anos. A decisão, proferida às 14h23, é do juiz Sandoval Gomes de Oliveira, do Tribunal do Júri.

Rodrigues, que matou a estudante na última sexta-feira, 30, disse à polícia que estava inconformado com o fim do relacionamento, uma vez que Suênia havia reatado com o marido.

O professor esperou a vítima sair da faculdade e a matou com tiros na cabeça e no tórax. Após o crime, Rodrigues circulou com o corpo da vítima no carro por algumas horas e se entregou. O suspeito, que estava na carceragem do Departamento de Polícia Especializada (DPE), foi transferido hoje para o Complexo Penitenciário da Papuda.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do DF abriu processo ético-disciplinar para fins de cassação do registro de advogado de Rodrigues. As duas faculdades em que ele lecionava - UniCeub e Projeção - também anunciaram sua demissão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.