Justiça ouve família acusada de planejar morte do pai

A Justiça de Caçapava fez a primeira audiência com os oito acusados de planejar o assassinato do aposentado Kazu Harada, de 64 anos. O aposentado foi morto dentro da própria casa, em Caçapava, no dia 9 de maio, por dois homens que simularam um assalto. Vinte dias depois a policia descobriu que os filhos do aposentado, George Harada, de 21 anos e Ângela Yuri Harada, de 33, haviam planejado o crime com o consentimento da mãe, Maria Kazama Harada. Outras cinco pessoas participaram do crime e receberam R$ 30 mil pela execução. A audiência aconteceu no fórum de Caçapava e durou cinco horas. O juiz substituto da Vara Criminal, Cândido Peres, não quis dar entrevista à imprensa mas informou que os acusados mantiveram as informações que constam no inquérito policial. De acordo com o juiz, em depoimento, a funcionária pública Ângela Harada tentou livrar a mãe e o irmão e confessou ter planejado a morte do pai. Os advogados de defesa dos irmãos e da dona-de-casa não compareceram.Os acusados Rodolfo Luiz da Silva Alves, Eduardo Ribeiro da Silva, Adriano Ribeiro de Godoy, Paulo Henrique Costa e Shirley da Silva também prestaram depoimento à Justiça e retornaram para as cadeias públicas de São José dos Campos e Caçapava, onde estão presos. Segundo o advogado de defesa de Paulo Henrique Costa, Glauco Januzzi, o acusado nega qualquer envolvimento com o crime. "Ele afirma que nem conhecia a família Harada e não participou do assassinato".

Agencia Estado,

12 de agosto de 2003 | 19h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.