Divulgação/Sinpoljuspi
Divulgação/Sinpoljuspi

Menino achado em cela no Piauí é afastado dos pais pela Justiça

Guarda está suspensa momentaneamente até que se esclareça em que circunstâncias o garoto foi parar no interior da cadeia

Juarez Oliveira, Especial para o Estado

04 Outubro 2017 | 17h43
Atualizado 05 Outubro 2017 | 08h38

TERESINA - A juíza titular da 1ª Vara da Infância e da Juventude de Teresina, Maria Luiza de Moura Mello, suspendeu nesta quarta-feira, 4, a guarda dos pais do menino de 13 anos encontrado dentro da cela de um homem condenado por estupro em um presídio no Piauí. A decisão atende a um pedido do Conselho Tutelar.

+++ Menino de 13 anos é encontrado em cela de preso acusado de estupro no Piauí

“A guarda dos pais está suspensa momentaneamente até que se esclareça em que circunstâncias o garoto foi parar no interior do presídio dentro de uma das celas. Enquanto isso, ele será acolhido em um abrigo em Teresina, com o acompanhamento do Conselho Tutelar.”

Maria Luiza disse ainda que uma equipe multidisciplinar deverá acompanhar e avaliar as condições em que o menino vive com os pais. Após o levantamento e a conclusão das investigações, a Justiça definirá se ele voltará para casa ou se será encaminhado para a guarda de algum outro parente.

+++ Metrô de SP é condenado a indenizar em R$ 30 mil passageira perfurada por seringa

O garoto foi encontrado por agentes penitenciários na noite do sábado. Ele estava embaixo da cama do detento José Ribamar Pereira Lima, que cumpre pena por dois estupros na Colônia Agrícola Penal Major César. 

Insistência

Em depoimento à Polícia Civil, o menino disse que não queria ficar na unidade, mas foi induzido a dormir ali por insistência do pai, Gilmar Francisco Gomes. Tanto o pai como a mãe da criança são lavradores e analfabetos. Eles afirmam que o detento é compadre da família e que, durante as visitas, prestavam a ele serviços como lavar roupas e ajudar nas plantações da colônia penal, em troca de alimentos.

O menino disse ainda que esta foi a primeira vez que dormiu sozinho na cela de Pereira Lima, mas que já havia passado a noite na unidade em outra ocasião, junto com a família. Durante cinco anos, o pai do garoto cumpriu pena com Pereira Lima no mesmo presídio, também por estupro de vulnerável. Foi lá que se conheceram.

Em depoimento, o garoto contou que Pereira Lima costumava dar presentes como sandálias, biscoitos e outros alimentos a ele e ao irmão menor. Disse, ainda, que o detento chegou a dar um celular ao irmão e prometeu presenteá-lo com um videogame.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.