Justiça suspende pedágio no rodoanel

O juiz Rômolo Russo Júnior, da 5ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, concedeu ontem liminar que suspende a cobrança de pedágio nas 13 praças instaladas nas saídas do trecho oeste do rodoanel, abertas em 16 de dezembro.A decisão do juiz acata a ação popular com base na lei estadual 2.481, de 1953, que proíbe a cobrança de pedágio em distância inferior a 35 quilômetros do marco zero da capital, na Praça da Sé. O magistrado classifica a cobrança no rodoanel, sob concessão do Grupo CCR, de "conduta ilegal, imoral e abusiva". A concessionária já recorreu da decisão, mas não informou se suspenderia a cobrança imediatamente.As 13 praças de pedágio do trecho oeste do rodoanel Mário Covas atingem uma distância entre 20 km e 28 km em relação à Sé, dependendo do trecho. A tarifa é de R$ 1,20 para veículos de passeio e o mesmo valor, por eixo, para caminhões. "É uma decisão muito bem fundamentada, juridicamente, dentro do princípio da legalidade e do interesse público", afirma a advogada Carmem Patrícia Coelho Nogueira, que moveu a ação popular. A Secretaria Estadual dos Transportes, que anunciou a criação de mais uma praça de pedágio bem próxima da capital, na Rodovia Castelo Branco, afirma que só vai se manifestar após ser notificada da decisão do juiz.FERNÃO DIASA partir da 0 hora de hoje, estava prevista para entrar em operação mais uma praça de pedágio na Rodovia Fernão Dias, principal ligação entre São Paulo e Minas. A praça foi erguida no km 7, em Vargem (SP), com 20 cabines de cobrança nos dois sentidos. Automóvel, caminhonete e furgão pagam R$ 1,10. De motos, serão cobrados R$ 0,55. A tarifa mais cara (R$ 6,60) é para caminhões com seis eixos.COLABORARAM DANIEL GONZALEZ E PAULO DARCIE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.