Kassab admite possibilidade de reajuste de tarifas de ônibus

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, admitiu nesta quarta-feira, 8, a possibilidade de ocorrer reajuste de tarifas dos ônibus municipais, mas insistiu que o assunto ´não está sendo discutido pela prefeitura´. Kassab preferiu não citar prazos e justificou que o aumento poderá ocorrer por conta da necessidade. "Só posso dizer que quando houver aumento, vamos levar em conta as necessidades do usuário", declarou durante entrega de obras de urbanização na Favela de Heliópolis. Os empresários de ônibus já contam com o aumento da tarifa na cidade a partir do feriado do dia 15 de novembro. O novo custo da passagem ainda não está totalmente definido e deve subir de R$ 2 para R$ 2,30 ou R$ 2,40. Porém, Kassab afirmou que "não há a menor hipótese" do reajuste ocorrer a partir do dia 15 porque a questão tem que ser levada para a prefeitura pelo secretário municipal de Transportes, Frederico Bussinger, para depois ser encaminhada à Câmara Municipal, com no mínimo cinco dias de antecedência. "Não é algo tão rápido para se decidir". Ao ser questionado sobre o valor da tarifa, Kassab voltou a dizer que "não tem como falar porque o assunto não está na pauta da prefeitura". Com o aumento dos ônibus municipais, também devem subir as tarifas do Metrô, dos trólebus da Empresa Municipal de Transportes Urbanos (EMTU) e dos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), todos de responsabilidade do governo do Estado. Nesses três setores as tarifas deverão ficar R$ 0,10 maior que as dos ônibus municipais: R$ 2,40 ou R$ 2,50.Pela manhã, o governador de São Paulo, Cláudio Lembo, admitiu a possibilidade de não haver o reajuste na tarifa do metrô paulistano neste ano. Ele afirmou ter discordado das planilhas apresentadas com as opções de reajuste e solicitou a realização de novos estudos com tarifas entre R$ 2,20 e R$ 2,60, ou seja, com reajustes entre 4,76% e 23,8% sobre o valor atual, de R$ 2,10 para o bilhete unitário."Eu não aceitei as planilhas anteriores e mandei refazê-las; portanto não há decisão e nem data fixada para o aumento e nem sei se vai haver aumento neste ano; não vai haver extorsão do povo de São Paulo por tarifa", afirmou Lembo, durante seminário que comemora os dez anos do curso de pós-graduação de Gerente de Cidade da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP),em Ribeirão Preto. Lembo disse que deve receber os novos estudos de tarifa do metrô em 10 ou 15 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.