Kassab diz que ataques em São Paulo foram casos isolados

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab(PFL), disse nesta quarta-feira, 7, que os ataques a dois ônibus, um microônibus e um carro da Polícia Militar na noite de terça foram casos isolados e descartou a possibilidade de outras ações. "Não há suspeita de novas ações possam ocorrer". Kassab, que participou de solenidade da abertura oficial do ano letivo na Escola Municipal de Ensino Fundamental Professora Nilce Cruz Figueiredo, na zona norte, também afirmou que o transporte coletivo funciona normalmente e que os guardas civis metropolitanos estão monitorando os corredores de ônibus e terminais de ônibus. Os veículos foram queimados no Parque Bristol e um carro da Polícia Militar foi metralhado, na frente da Estação Ipiranga da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), na Avenida Presidente Wilson, na zona sul de São Paulo. As informações iniciais eram de que ninguém ficou ferido. De acordo com a reportagem da Rádio Eldorado AM, o prefeito disse que ainda não conversou com o governador José Serra (PSDB), mas que o contato é permanente entre a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) e a secretaria de Governo. Ele ressaltou que "tanto o Estado como a Prefeitura continuam o trabalho em conjunto para que não haja qualquer tipo de problema os usuários e população". Embora a polícia ainda esteja "em nível de alerta acima do normal", a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP) agiu rápido para diminuir o impacto dos ataques. Na madrugada desta quarta-feira, o secretário Ronaldo Marzagão convocou uma entrevista coletiva na sede do Comando da Polícia Militar. Marzagão não confirmou a informação de que os atentados estariam ligados aos problemas registrados em Presidente Venceslau. "Todas as hipóteses estão sendo examinadas", disse o secretário. "Por enquanto, não há uma definição". Ele disse ainda que "é preciso que se coloquem as coisas nos seus devidos lugares" e desvinculou os ataques de uma possível ação do PCC.

Agencia Estado,

07 Fevereiro 2007 | 12h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.