Kassab inaugura revitalização incompleta na República

A inauguração estava prevista para 25 de janeiro, aniversário de São Paulo, mas a nova Praça da República, no centro, só foi entregue nesta quarta-feira, 21, pelo prefeito Gilberto Kassab (PFL). O subprefeito da Sé e secretário de Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo, garantiu que as obras foram concluídas, mas ainda há o que fazer no entorno da praça. Durante a visita do prefeito ao local, operários trabalhavam na reforma do calçadão que separa a praça do antigo colégio Caetano de Campos, atual sede da Secretaria Estadual de Educação. ?Isso não faz parte da obra da praça. Esse calçadão fica pronto até 30 de março?, disse Matarazzo. Outro problema são as obras da Linha 4 do metrô. Carros de funcionários da obra estavam estacionados dentro da praça, o que irritou Matarazzo. ?São folgados. Acham que o calçamento foi feito para ficar mais confortável para eles.? Os veículos foram retirados em seguida. A um custo de R$ 3,1 milhões e com o objetivo de resgatar o aspecto dado após uma reforma feita em 1905, a revitalização da República começou em maio de 2006, com seis meses de atraso. As obras incluíram a troca do asfalto dos passeios por lajotas iguais às originais, rebaixamento dos canteiros ao nível do solo, retirada das grades que contornavam a praça e recuperação do lago. Nove das 13 esculturas da praça ganharam placa de identificação em granito. Numa delas houve uma gafe: a placa traz a inscrição ?À (sic) Bernardino de Campos - Homenagem do Povo de São Paulo?. A assessoria da Subprefeitura da Sé informou que o Departamento de Patrimônio Histórico vai corrigir a crase indevida. As polêmicas estruturas metálicas chamadas de ?apoios glúteos? - conhecidas como ?antimendigo?, por impossibilitar que alguém se deite no banco - foram mantidas. O secretário, mais uma vez, negou que os bancos tenham essa finalidade. E disse que os moradores de rua podem utilizar a praça ?como qualquer paulistano?, mas não fazer dela uma casa. Localizada dentro da praça, a Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Armando de Arruda Pereira tem seu futuro incerto. A Prefeitura chegou a anunciar em julho do ano passado que seus 450 alunos não seriam realocados, mas Kassab disse que ela ?poderá sair, sim?. Matarazzo disse que isso ?é uma coisa que não tem pressa?. Segundo Kassab, uma das possibilidades, que depende de entendimentos com o Estado, é colocar os alunos no Caetano de Campos - que deve voltar a funcionar como escola estadual no ano que vem. Já a feira de artesãos, que existe há mais de 40 anos no entorno da praça, continuará a ocorrer nos finais de semana. Seguranças A presença de pelo menos cinco homens à paisana que acompanharam o prefeito à distância em todo o trajeto dentro da praça chamou a atenção. Eles nunca haviam sido vistos antes nos compromissos de Kassab, aos quais geralmente comparecem as mesmas pessoas. Um deles disse estar fazendo a segurança de Kassab e afirmou ser policial civil. A Assessoria de Imprensa da Prefeitura disse que uma ?assistência militar?, constituída apenas por PMs, é responsável por escoltar o prefeito e afirmou que não foi feito nenhum reforço de segurança para o compromisso. A Polícia Civil disse que não recebeu nenhum pedido de destacamento de seus homens para acompanhar o prefeito. Matéria alterada às 4h50, para acréscimo de informação

Agencia Estado,

21 Fevereiro 2007 | 14h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.