Kassab instala só 31% das câmeras

Dos 108 equipamentos previstos para o centro até o final de março, apenas 34 estão em funcionamento

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

17 Abril 2008 | 00h00

O centro de São Paulo é monitorado hoje por 34 das 108 câmeras que deveriam estar em funcionamento desde o fim de março. Dez aparelhos não funcionam por problemas de manutenção. E, entre os outros 64 instalados no início do ano nas Avenidas Paulista e Dr. Arnaldo, só 9 entraram em operação, informou o governo municipal. O cumprimento de só 31% do Programa de Monitoramento para a região central deixa descoberta atualmente áreas como Largo do Arouche, Baixada do Glicério, Largo Coração de Jesus e Avenida Senador Queiroz. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) havia prometido, no dia 16 de setembro do ano passado, que a capital teria 12 mil câmeras até o fim de 2008. No dia 26 de março, ao anunciar que o Parque do Ibirapuera ganharia 80 câmeras, Kassab prometeu investir R$ 7 milhões no sistema de comunicação entre a GCM e as Polícias Civil e Militar. A instalação das câmeras em parques, cemitérios e principais vias da capital ainda não teve a licitação concluída. O Sindicato dos Guardas-Civis Metropolitanos (Sindiguarda) diz que existe manipulação nos dados de aparelhos em funcionamento. "Se existem hoje menos de 40 câmeras, quanto tempo vai levar para instalar 12 mil?", questiona Francisco Targino, presidente da entidade. "A central de monitoramento da GCM está com computadores quebrados, algumas telas de TV de plasma queimadas, uma série de câmeras distribuídas nas ruas está danificada." Os problemas começaram em julho do ano passado, quando se encerrou convênio com a Telefônica para a realização do serviço. Em nota, o governo informou que "está sendo finalizando o edital para consulta pública que faz parte do processo de licitação para a contratação do fornecimento de imagens por meio de 12 mil câmeras". ATRASO A extensão do programa de monitoramento, com 8 mil câmeras em escolas municipais a partir de fevereiro, ao custo de R$ 27 milhões, também está atrasada. O reforço na segurança fora anunciado no dia 31 de maio de 2007 pelo secretário municipal da Educação, Alexandre Schneider, e seria viabilizado até o fim de 2007. Segundo a assessoria do secretário, houve recursos judiciais de empresas que atrasaram as licitações. "Os contratos com os vencedores das concorrências serão assinados a partir da semana que vem. As empresas terão 45 dias para instalar os equipamentos", informou a assessoria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.